Filosofia no Design

Esse breve texto tem como objetivo levantar uma discussão a cerca de um dos possíveis lugares de ação da filosofia hoje, tratando em especial, do seu diálogo com o design.

sobre designers

Em função da crescente complexidade das atividades relacionadas ao design do século passado pra cá, a aproximação dos profissionais às outras disciplinas tem passado por um boom, notadamente entre as últimas décadas do século XX e as primeiras décadas do século XXI.

Pesquisas inspiradas nas práticas etnográficas vindas da antropologia(1); reflexões a cerca da cognição, inspiradas na psicologia (2); diálogos recorrentes com estatísticos dentro da representação gráfica de dados (3), se transformaram, apenas para citar alguns exemplos, em temas recorrentes na academia e associações profissionais.

Um dos efeitos desse aumento de complexidade, é o desejo por uma maior profundidade de atuação nos processos inovativos, levando à urgência de uma participação cada vez mais precoce nos projetos (inicialmente se participava desde o começo do desenvolvimento, recentemente era importante intervir antes deles iniciarem, para um melhor entendimento das necessidades, e agora cada vez mais antes de que a necessidade ou um problema surja, como demonstra a teoria de Fuzzy Front-End). Nesse cenário a filosofia se apresenta como uma das disciplinas que pode ter um papel crítico no desenvolvimento das atividades dos designers, engenheiros e demais envolvidos nos projetos. Em especial na sua análise e criação de conceitos.

sobre filósofos

Segundo Deleuze e Guattari(4) a filosofia é

“a arte de formar, de inventar, de fabricar conceitos.”

Assim como na ciência o experimento é o processo historicamente adotado para validação das hipóteses, na filosofia utiliza-se a linguagem e da lógica como meios para comprovar se um conceito faz ou não sentido dentro de uma determinada natureza.

filosofia

A partir de conceitos que fazem sentido, o desenvolvimento das ciência se dá de forma acumulativa, produzindo hipóteses que são assim comprovadas pelo método científico, e tem seu valor até que se prove sua falsidade.

filosofia

Por sua vez, o trabalho dos designers e dos engenheiros se desenvolve tomando como base essas hipóteses científicas, levando à materialização dessas pesquisas em objetos. Nas palavras de Vilém Flusser(5):

A fotografia transforma conceitos científicos em cenas.

filosofia

Esses objetos intervém na sociedade. Agindo na construção de um futuro, com a influência relacionada ao impacto social trazido por sua chegada.

filosofia

Apesar de ser pouco tratada na literatura acadêmica, em comparação por exemplo com a Antropologia, a relação da filosofia com o design está presente de designers escritores consagrados como Paul Rand (que indicava Arte como Experiência, de John Dewey como literatura básica aos seus estudantes de design) (6) até Filósofos que refletiam sobre o design, como o já citado Villém Flusser.

De um ponto de vista muito prático, os momentos nos quais os conceitos podem ser validados são os mais variados durante o ciclo de vida dos produtos/serviços. Se extendermos a ação para mais áreas da filosofia, podemos extender também para o papel na reflexão a cerca da ética em cada um desses momentos. Para além de julgamentos morais, mas com uma compreensão dos circuitos de afetos presentes na sociedade, e para além dela, na reflexão dos impactos nas múltiplas naturezas com as quais dividimos nosso universo. Ou ainda numa construção de um conhecimento mais profundo sobre a estética e a compreensão dos fenômenos na percepção relacionada ao objeto desenhado.

Acreditamos que o fluxo de conhecimento entre essas duas disciplinas só levam a enriquecer a atuação desses novos perfis: os Designers Filósofos e os Filósofos Designers.

referências

(1) GUNN, W.; LOGSTRUP, L. B. Participant observation, anthropology methodology and design anthropology research inquiry. Arts and Humanities in Higher Education (Forum: Ethnography and Design Participant), v. 13, n. 4, p. 428–442, 2014.

(2) TENNER, E. The Design of Everyday Things by Donald Norman. Technology and Culture, v. 56, n. 3, p. 785–787, 2015.

(3) MACIEJEWSKI, R. Data Representations, Transformations, and Statistics for Visual Reasoning. [s.l: s.n.]. v. 2, 2011.

(4) DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a Filosofia? 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

(5) FLUSSER, V. Filosofia da Caixa Preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia, p. 1–48, 1985.

(6) KROEGER, M. Conversas com Paul Rand. São Paulo: Cosac & Naify, 2010.

Written on February 14, 2015